Matilha

Matilha

Em Extinção II - Exposição de Henrique Edmx Montanari

Extinção em biologia e ecologia é o total desaparecimento de espécies, subespécies ou grupos de espécies. O momento da extinção é quando o último indivíduo da espécie morre! Apesar da grande diversidade biológica que existe, estima-se que cerca de 99% das espécies existentes na Terra já tenham se tornado extintas.

Atualmente, muitos ambientalistas e governos estão preocupados com a extinção de espécies devido à intervenção humana. As causas da extinção incluem poluição, destruição do habitat, e introdução de novos predadores.

O projeto “Em Extinção” chama a atenção para o problema que o homem vem causando durante sua estada aqui na terra. Com o impacto do aquecimento global e da desmatação, muitos animais que antes viviam livres não existem mais, e sem perceber, o homem está caminhando para sua própria extinção.

A primeira fase do projeto contou com 8 obras feitas em aquarela (75 x 55 cm) e 5 prints em Fine Art, expostas na Galeria Soul Tattoo. 
Parte da renda adquirida com a venda das obras e dos prints foram doados para a instituição parceira “Rancho dos Gnomos”. Todas as obras foram apresentadas com um texto explicativo sobre o animal que estava sendo representado. Durante o processo de produção, um vídeo foi produzido e divulgado no youtube e pelo canais da elemedia por toda São Paulo.

Na segunda fase será montada uma exposição com obras exclusivas para o evento, e tambem produzido um calendário com a seleção de algumas obras. Parte da renda adquirida com a venda das obras e do calendário será reveretida para a instituição parceira.

Serão produzidos 2 vídeos durante o processo de produção. O primeiro vídeo é um teaser mostrando o processo de produção e com alguma informação do evento (save the date); o segundo vídeo é um vídeo mostrando um pouco do processo de produção e também o trabalho que a instituição faz para ajudar a salvar nossos animais. 

 

“Em Extinção II”, de Exposição de Henrique Edmx Montanari @Matilha Cultural
Abertura: terça-feira 03 de Dezembro, às 19h com Happy Hour - "Notas Reais" com Walmir Gil e convidados. 
Período expositivo: de 03 de dezembro a 19 de dezembro
Espaço: Galeria
Classificação etária: livre
Rua Rego Freitas, 542 – São Paulo
Tel.: (11) 3256-2636.

Horários de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 12h às 20h; exceto sábados, das 14h às 20h

Wi-fi grátis
Cartões: VISA (débito/ crédito)
Entrada livre e gratuita, inclusive para cães
www.matilhacultural.com.br

Agência Lema
Leandro Matulja/ Leticia Zioni/ Larissa Marques
agencialema.com

Informações para a imprensa:
Mauricio Sacramento +55 11 3871-0022 ramal 213
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Exposição - Matilha Cultural recebe Inevitável - da Artista Juliana Akina.

A Matilha Cultural recebe, entre os dias 17 de novembro e 19 de dezembro, a exposição “Inevitável”, da artista Juliana Akina. Com obras que utilizam diferentes tipos de materiais como madeira, papel, algodão e até fósforos e pregos, trabalhados em técnica mista, com pintura, colagem e carbonização, a exposição oferece um mergulho inédito sobre o vazio existencial da humanidade, por meio de um reflexo do universo pessoal da artista. 
"‘Inevitável’ busca refletir a nossa existência, e a partir dai os nossos sentidos, os nossos buracos e a plenitude e a satisfação”, explica Juliana. “É como se eu convidasse o espectador a mergulhar no meu universo para fazer refletir o próprio, como um rio espelhado, refletindo todas as luzes ou perdendo-se em buracos negros, dependendo do que cada um carrega dentro de si”, explica. 
Materiais que intuitivamente chegam ao universo da artista, mesmo que aparentemente descartáveis ou invisíveis, podem ganhar sentido. “O motivador é poder extravasar o que é recôndito e o processo dos sentidos que faz reflexão com o tempo, o único espectador da trajetória”, afirma. 

Sobre Juliana Akina:
Nascida no coração de São Paulo, em plena Avenida Paulista, Juliana Akina associa sua formação cultural às experiências pessoais e às ruas, cenário da arte independente e do surgimento de novas estéticas e conceitos da sociedade. 
Envolvida no campo da moda e do artesanato desde os 15 anos de idade, passando por galerias independentes da zona oeste, como a Casa da Xiclet, Juliana inicialmente agregou à sua linguagem visual o campo digital, até perceber que sua arte se expressa mais claramente pelos meios analógicos e o intuitivos, como uma rebeldia aos tempos atuais, onde tudo é robotizado. Nos últimos anos, Juliana Akina participou de exposições coletivas em locais como a Casa da Xiclet. Tendal da Lapa e Matilha 

Sobre a Matilha Cultural
A Matilha Cultural é uma entidade independente e sem fins lucrativos instalada em um edifício de três andares, localizado no centro de São Paulo. A Matilha integra um espaço expositivo, sala multiuso, café, além de um cinema com 68 lugares. 
Fruto do ideal de um coletivo formado por profissionais de diferentes áreas, a Matilha foi aberta em maio de 2009 e tem como principais objetivos apoiar e divulgar produções culturais e iniciativas socioambientais do Brasil e do mundo.
A Matilha não é um espaço imparcial ou contemplativo no mundo atual da instantaneidade da produção de conteúdo: assume uma postura politizada e apartidária, atuando junto à cena independente de cultura. 
Ao aglutinar projetos e expressões culturais atuais, a Matilha funciona como um centro de ideias coletivas. 
Toda programação da Matilha Cultural é gratuita ou a preços populares. 
O espaço pode ser locado para eventos privados e a renda dessa locação é revertida para financiar projetos culturais e socioambientais da entidade.

“Inevitável”, de Juliana Akina @ Matilha Cultural
Abertura: terça-feira 17 de novembro, às 19h
Período expositivo: de 17 de novembro a 19 de dezembro
Espaço: Arena
Classificação etária: livre
Rua Rego Freitas, 542 – São Paulo
Tel.: (11) 3256-2636.

Horários de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 12h às 20h; exceto sábados, das 14h às 20h

Wi-fi grátis
Cartões: VISA (débito/ crédito)
Entrada livre e gratuita, inclusive para cães
www.matilhacultural.com.br

Agência Lema
Leandro Matulja/ Leticia Zioni/ Larissa Marques
agencialema.com

Informações para a imprensa:
Mauricio Sacramento +55 11 3871-0022 ramal 213
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Não compre, ADOTE!!!

Todos os domingos, na galeria da Matilha, feira de adoção de cães e gatos. Venha conferir, mas CUIDADO, vc pode se apaixonar.

Próxima Expo *Good Moments Tattoo Meeting*

Matilha Cultural recebe a 3ª edição da exposição de tatuagem A Better Placeem novembro

Junto a exposição, acontecerá também o Good Moments Tattoo Meeting, encontro de tatuadores de diversos países

 

São Paulo, outubro de 2014 – Entre os dias 04 e de novembro e 04 de dezembro, a Matilha Cultural recebe a terceira edição da mostra coletiva “A Better Place”, exposição que reúne telas e trabalhos dos mais relevantes tatuadores do Brasil e do mundo. Assim como os anos anteriores, a casa também recebe, paralelamente, nos dias 08 e 09 de novembro, das 13h às 21h, a convenção de tatuagem Good Moments Tattoo Metting, com entrada de R$ 30,00 por um dia ou R$ 50,00, os dois.

 

Com curadoria do estúdio Zero Sen, do tatuador Fame, que começou sua carreira como grafiteiro e após mudar-se para o Japão dedicou-se ainda mais a arte e a tatuagem, a exposição possibilita que grandes nomes da tatuagem apresentem sua arte de uma nova maneira e em outra superfície, utilizando outros materiais como a tinta acrílica, aquarela e outras técnicas fora da plataforma habitual de seu trabalho: a pele humana. Os frequentadores da Matilha Cultural encontrarão durante o período expositivo desenhos dos mais variados estilos e técnicas, entre eles, o tradicional Oriental, o Americano, Fine Line, New School e Tribal.

 

O Good Moments Tattoo Metting tem como principal objetivo apresentar as diversas possibilidades de arte na pele. Dessa vez a convenção reunirá 24 tatuadores do mundo todo, contando com profissionais do Brasil, França, Suíça, Noruega, Reino Unido, Japão, Hungria e Rússia. Cada artista participante da convenção ganhará um stand próprio para apresentar seus trabalhos e também estará disponível para tatuar o público visitante.

 

“O evento tem como padrão e intenção mostrar e disseminar somente o que nós acreditamos ser o bom, o interessante para nossa cultura. Tentamos de uma forma mais fechada transmitir o real valor que a tatuagem tem sobre nós. Temos que ir contra toda forma de exploração que se faz da tatuagem, a banalização do nosso ofício. Esse meeting realmente foi criado para isso, para mostrar e resgatar o verdadeiro sentido de se fazer tatuagem, seja como tatuador ou como portador dessa complexa expressão que se chama tattoo”, afirma Fame.

 

Além da exposição e venda das obras, alguns artistas preferem trocar elas entre si, criando um ciclo de compartilhamento mútuoNa última edição a exposição reuniu 34 obras, 25 artistas participantes da convenção e mais de 1500 pessoas estiveram presentes para conferir a mostra e o encontro.

 

Artistas da exposição:

Cacau Horihana – Brasil

Capitain Plum – França

Cardoso - Brasil

Christian Arae – Brasil

Christian Nguyen – Suíça

Christoffer Wøien – Noruega

EcreMecanique – França

Etam Kendrick – Brasil

Fame – Brasil

Fred Raph – Brasil

Hiro – Japão

Horikitsune – Reino Unido

Jeizel Seidy - Brasil

João Chaves – Brasil

Juma – Brasil

Kensuke Yokogawa – Japão

Lásló Kis – Hungria

Lautaro – Noruega

Léo Neguin – Brasil

Liwan – Brasil

Maneko – Brasil

Marcio Lemes – Brasil

Maurício Teodoro – Brasil

Mauro Landim – Brasil

Nic – Noruega

Rick Pacchini – Brasil

Sergey Buslay – Rússia

Taiom – Brasil

Tarmarsz – França

Thomas Piñeiro – Brasil

Tony Tox – Noruega

Vinicius Lima – Brasil

Xamã – Brasil

 

Artistas da Good Moments Tattoo Meeting:

Cacau Horihana – Brasil

Capitain Plum – França

Cardoso – Brasil

Christian Arae – Brasil

Christian Nguyen – Suíça

Christoffer Wøien – Noruega

EcreMecanique – França

Etam Kendrick – Brasil

Fred Raph – Brasil

Hiro – Japão

Horikitsune – Reino Unido

Jeizel Seidy – Brasil

Lásló Kis – Hungria

Lautaro – Noruega

Liwan – Brasil

Maneko – Brasil

Mauro Landim – Brasil

Nic – Noruega

Sergey Buslay – Rússia

Tarmarsz – França

Thomas Piñeiro – Brasil

Tony Tox – Noruega

Japanese books – Japão

MDZ tattoo books - Brasil

 

A Better Place @ Matilha Cultural

Período expositivo: 04 de novembro a 04 de dezembro

Entrada livre e gratuita

 

Good Moments Tatto Meeting @ Matilha Cultural

08 e 09 de novembro (sábado e domingo)

Horário: 13h às 21h

Entrada: R$ 30,00 por dia/ R$ 50,00 (sábado e domingo).

 

MATILHA CULTURAL

Rua Rego Freitas, 542 – São Paulo

Tel.: (11) 3256-2636

Horários de funcionamento: terça-feira a domingo, da 12h às 20h/ exceto sábados: 14h às 20h

Wi-fi grátis

Cartões: VISA (débito/ crédito)

Entrada livre e gratuita, inclusive para cães

www.matilhacultural.com.br

 

 

Setembro Verde 2014

Matilha Cultural anuncia programação da 6ª edição do Setembro Verde

 

Programação gratuita oferecerá mostra de filmes, debates, palestras e exposição que discutem a crise da água em São Paulo


São Paulo, agosto de 2014 – 
No dia 22 de setembro, segunda-feira, a partir das 19h, a Matilha Cultural dá início à 6ª edição do Setembro Verde, projeto multimídia colaborativo com foco em temas políticos e socioambientais. Com programação gratuita relacionada às artes, cinema, debates e oficinas, a edição deste ano tem como foco a questão da crise da água, trazendo mapas, infográficos, fotos, arte e textos.  Questões relacionadas com os parques urbanos e áreas verdes também estarão expostas, além de uma viagem pela Amazônia e práticas sustentáveis na exposição “Expedição Barco Íris” e filmes no Cine Matiha. Na noite da abertura, DJ Nat Jako nas vitrolas com seleção especial para a ocasião, com músicas que remetem à natureza.

 

A galeria da Matilha será tomada por peças que demonstram como São Paulo é afetada com a crise hídrica. De um lado a arte, questionamento e trabalho do Imargem, coletivo com base no Grajaú, no entorno da represa Billings, formado por artistas visuais que organizam intervenções multidisciplinares reunindo arte, meio ambiente e convivência. Do outro lado da galeria, infográficos, mapas, textos, vídeos e fotos feitos em parceria com pesquisadora Marussia Whately/consultora em sustentabilidade e colaboradora do Instituto Socioambiental organização que propõem soluções de forma integrada a questões sociais e ambientais com foco central na defesa de bens e direitos sociais.

 

Compondo também o conjunto da exposição animação sobre o ciclo da água do site asboasnovas.com, que possui projetos de comunicação com foco na sustentabilidade e boas causas, lambes do coletivo Volume Vivo, projeto de pesquisa audiovisual que pretende mapear as causas e soluções para a crise da água em São Paulo e infográficos e vídeos do Projeto 2000 e Água, reportagem hipermídia com vídeos e infográficos sobre a crise hídrica, elaborada por um grupo de seis alunos de jornalismo da ECA-USP com fotos e depoimentos que dão voz a pessoas que convivem com a água - e a falta dela - de diferentes maneiras. Destaque para o mapa “Rios Invisíveis” criado pelo artista Nik Neves para a publicação Planeta Sustável, que traz rios da cidade que com o crescimento urbano, acabaram canalizados e encobertos por cimento.

 

Para quem prefere exposição fotográfica, acontece na arena a mostra “Expedição Barco Irís”, do EarthCode Project (www.earthcode.org ), projeto que documenta mais 180 comunidades étnicas alternativas e convencionais na Austrália, Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e Amazônia, e conta a história de uma aventura sustentável pela América do Sul. Com fotos e textos de Henny Freitas, jornalista, permacultora e educadora ambiental, a exposição mostrará o processo de Henry na construção de seu próprio barco para desfrutar e descobrir formas de projetos sustentáveis na Amazônia peruana e brasileira. “Além de apreciar a beleza natural da fauna, flora e vida primitiva da Amazônia, a mostra proporciona uma reflexão sobre as conseqüências que o desmatamento amazônico traz para a falta d'àgua em São Paulo.”, antecipa Henny. Além das fotos da expedição, uma novidade deste ano será a instalação de um domo geodésico feito de bambu como um exemplo de construção sustentável e dentro dele exposição do conto de Henny “Pescador de Ilusões”, com desenhos feitos por crianças que participaram das atividades propostas pela Expedição Barco íris, inspiradas pelo conto, que inspira crianças a terem uma postura mais consciente em relação aos recursos naturais.

 

 

 

Outra novidade deste ano fica por conta da Banca Orgânica que será organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Serão montadas bancadas para a exposição e venda de produtos orgânicos.

 

No Cine Matilha será possível conferir filmes com temáticas que abrangem o meio ambiente e a sociedade, como o novo filme do diretor brasileiro Silvio Tendler, “O Veneno está na Mesa II”, que proporciona uma reflexão sobre os alimentos que consumimos e que possuem grandes índices de agrotóxicos. Já o “Água”, do diretor Yael Perlov, é um projeto de sete curtas que mostra a relação das pessoas com a água através de diversas histórias. A programação foi feita em parceria com a Mostra Ecofalante de Cinema.

 

Alguns debates e oficinas complementam a programação, com destaque para Expedição Rios e Ruas pelo centro da capital, debates sobre água com parceiros desta edição Volume Vivo, Rios e Ruas e 2000eágua, além de um bate-papo com biólogo Victor Lucato, que abordará a relação entre a água e áreas verdes, próximas e distantes.

 

No último ano, cerca de oito mil pessoas compareceram nos espaços da Matilha Cultural para conferir as ações que mostravam a resistência indígena no Brasil e as dinâmicas entre tribos.

 

 

PROGRAMAÇÃO:

 

Debates, palestras e cinema:

 

27/9, sábado, 27/09,

 

10h – 16h

Banca Orgânica, organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Estarão presentes produtores do cinturão verde de São Paulo.

 

16h – 18h

 bate-papo com Caio Ferraz, do projeto Volume Vivo. Será exibido o primeiro episódio da série Volume Vivo. O episódio "A água de dentro" apresentará a conjuntura da crise na grande São Paulo, como estão e como funcionam os sistemas de abastecimento da metrópole, qual é a pegada hídrica da metropole paulistana e como teremos que mudar o modo como nos relacionamos com a água para superar esta crise. Após a apresentação do curta haverá uma discussão com a participação do diretor e outros

envolvidos no projeto.

 

 

01/10, quarta-feira, às 20h

Tema:  "Urbanidade rígida e urbanidade líquida em São Paulo",  José Bueno e Luiz de Campos, co-criadores da iniciativa Rios e Ruas. O Rios e Ruas  trabalha para promover o reconhecimento e a exploração in loco das cidades redescobrindo a natureza de rios soterrados por ruas e construções contribuindo assim para despertar em jovens e adultos uma compreensão afetiva sobre o uso do espaço urbano."

 

 

 

 

 

04/10, sábado, 14h – 16h

 Expedição Rios e Ruas: em busca do riacho Anhanguera. Entender o urbano pressupõe o ato de imaginar. Recriar os rios que perdemos de vista, e pensar o porquê dessas perdas. Demanda aproximar-se do invisível na paisagem, explorando camadas mais profundas que existem na realidade. Nessa expedição, José Bueno e Luiz de Campos, cocriadores da iniciativa Rios e Ruas, guiarão os participantes numa experiência para redescobrir a natureza de riachos soterrados por ruas e construções no centro de São Paulo. É uma atividade para estimular uma compreensão afetiva sobre o uso do espaço urbano.

 

 

07/10, terça-feira, às 20h

Tema: Água e vegetação – sem vegetação não há água.

Explicar relação entre água no ar (‘rios aéreos’) e os ventos alísios que vem do Nordeste para o Norte. De lá, para Amazônia e Andes. Descem outra vez e fazem chover no Sul, Sudeste e outros aspectos que explicam a extrema importância da existência de áreas verdes para a conservação da água.

Convidado: Victor Lucato, biólogo.

 

 

11/10, sábado, às 16h – 18h

Tema: Oficina para crianças do conto Pescador de Ilusões, com Henny Freitas. Seguindo o conto são feitas ilustrações com as crianças sobre a preservação da natureza. Comparar com os desenhos da cidade e observar as diferenças nos comportamentos das crianças ao desenhar a natureza.

Com Henny Freitas.

 

 

14/10,quarta-feira, às 20h -22h

Tema:Por água abaixo: a gestão dos recursos hídricos em São Paulo

Convidado: integrantes do projeto "2000 e água" , grupo de seis alunos de jornalismo da ECA-USP  que produziu a reportagem hipermídia sobre a crise hídrica de 2014 em São Paulo.  No dia do bate-papo, será projetado o documentário  de dez minutos “Planos submersos”, que retrata a marcante história de pessoas que tiveram suas casas inundadas há 40 anos para a construção do Sistema Cantareira e, hoje, assistem ao reaparecimento delas com a seca dos reservatórios. O ciclo se reinicia com a demanda por mais água da metrópole, e outras populações ribeirinhas vivem a incerteza de quando deixarão seus lares para a construção de novas represas. Após o filme, conversa com integrantes do projeto.

 

25/10, sábado,

 

10h – 16h

Banca Orgânica, organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Serão montadas bancadas para a exposição e venda de produtos orgânicos.

 

16h – 18h

Workshop “Alimento com sentido”, com Lancheira Saudável

A proposta tem como principal objetivo despertar nos participantes a importância da alimentação saudável e consciente. Por meio de atividades cooperativas e lúdicas traremos o tema “Orgânicos” explorando os sentidos na  alimentação, além de todos os benefícios que este alimento pode nos proporcionar. O workshop “Alimento com sentido” trará aos participantes uma reflexão sobre o processo da alimentação e juntos descobriremos novos caminhos respeitando as individualidades.

 

 

 

MOSTRA SETEMBRO VERDE DE CINEMA 2014

 

Cine Matilha:

Documentário: “O Veneno está na Mesa”

25/09 às 19h, 02/10 às 21h, 03/10 às 21h, 04/10 às 21h

Direção: Silvio Tendler

Duração: 50’

Ano: 2011

Produção: Caliban

Apoio: EPSJV-Fiocruz

 

Documentário: “O Veneno está na Mesa 2”

26/09 às 19h, 27/09 às 19h, 09/10 às 19h, 10/10 às 20h30, 11/10 às 19h

Direção: Silvio Tendler

Duração: 70’

Sinopse: após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em “O Veneno está na Mesa”, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O “Veneno Está Na Mesa 2” atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?"

 

Documentário: “Água” (Water)

25/09 às 20h, 26/09 às 20h30, 27/09 às 20h30, 28/08 às 20h e 04/10 às 19h

Direção geral: Yael Perlov

Direção: Nir Sa’Ar, Mohammad Fuadm Yona Rozenkier, Mohammad Bakri, Ahmad Bargouthi, Pini Tavgner, Tal Haring e Maya Sarfaty

Duração: 117’

Ano: 2012, Israel, Palestina

Sinopse: “Água” é um projeto com sete curtas, feitos por oito diretores, todos girando em torno da necessidade de água, idealizado pela cineasta Yael Perlov. No interior de Israel, um jovem casal de Tel Aviv tem que dividir uma fonte com um grupo de trabalhadores palestinos, divididos entre medos ancestrais e pequenos gestos de solidariedade (Still Waters). Durante o verão, um vendedor de água palestino fornece tanques e poços na área de Belém, deixada seca pelos colonizadores (The Water Seller). Um soldado israelense que está á beira de um ataque de nervos e um camponês palestino que quebra o toque de recolher para irrigar suas melancias tentam domesticar um burro (Raz and Raja). Um ator famoso e seus dois filhos têm uma relação particular, movida a desentendimentos e gotas de colírio, com a vizinha, uma senhora que sobreviveu aos campos de concentração (Eye Drops).

Um velho árabe, que viveu nos EUA por anos, gerencia uma piscina. Famílias palestinas que nunca viram o mar a frequentam até os colonizadores israelenses invadirem o espaço (Kareem’s Pool). Um soldado israelense, durante um intervalo dos seus exercícios de treinamento, lembra de um episódio da sua infância: sua mãe lavando seu cabelo em uma banheira, enquanto seu pai o apressa (Drops). Uma judia ortodoxa jovem e tímida espera que seus pais a levem num Shiduch, um encontro que o promove o casamento. Enquanto isso, ela tem uma conversa estranha com um encanador através de uma porta fechada (Now and Forever)

 

Documentário: “A Fé nos Orgânicos”

02/10 às 19h30, 03/10 às 19h30, 05/10 às 20h, 09/10 às 20h30, 11/10 às 20h30 e 12/10 às 20h

Direção: Kip Pastor

Duração: 82’

País: EUA

Ano: 2012.

Sinopse: A Fé nos Orgânicos é um documentário revelador que mostra o verdadeiro significado de "orgânico". Quando as corporações entraram no negócio e "orgânico" se tornou uma marca, a filosofia e o rótulo se separaram. Mas há esperança para os orgânicos e para nós! O diretor Kip Pastor olha para além do rótulo e desenterra soluções inspiradoras para a nossa saúde e para problemas ambientais. Cidadãos e comunidades estão resolvendo os problemas com suas próprias mãos, e a mudança está vindo do solo para cima. Eixo-temático: Economia.

 

---------------------------------------------

 

Sobre a Matilha Cultural

 

A Matilha Cultural é uma entidade independente e sem fins lucrativos instalada em um edifício de três andares, localizado no centro de São Paulo. A Matilha integra um espaço expositivo, sala multiuso, café, além de um cinema com 68 lugares. Fruto do ideal de um coletivo formado por profissionais de diferentes áreas, a Matilha foi aberta em maio de 2009 e tem como principais objetivos apoiar e divulgar produções culturais e iniciativas sócio-ambientais do Brasil e do mundo.

 

A Matilha não é um espaço imparcial ou contemplativo no mundo atual da instantaneidade da produção de conteúdo: assume uma postura politizada e apartidária, atuando junto à cena independente de cultura. Ao aglutinar projetos e expressões culturais atuais, a Matilha funciona como um centro de ideias coletivas.

 

Toda programação da Matilha Cultural é gratuita ou a preços populares. O espaço pode ser locado para eventos privados e a renda dessa locação é revertida para financiar projetos culturais e sócio-ambientais da entidade.

 

A Matilha está agora com seu primeiro projeto de captação colaborativa, para a criação de um sistema móvel através de uma van para levar um pouco do que é a Matilha para outros cantos da cidade e do país. Colabore. http://www.kickante.com.br/campanhas/matilha-cultural-quer-ir-pra-rua-faca-parte

 

Setembro Verde @Matilha Cultural

Abertura: 22 de setembro, a partir das 19h

Período expositivo: 22 de setembro a 28 de outubro.

De terça-feira a domingo, das 14h às 22h

<span style="font-size: 11.0pt; font-family: Arial; mso-bidi-font-family: Ari

Setembro Verde 2014 * Abertura*

Matilha Cultural anuncia programação da 6ª edição do Setembro Verde

 

Programação gratuita oferecerá mostra de filmes, debates, palestras e exposição que discutem a crise da água em São Paulo


São Paulo, agosto de 2014 –
No dia 22 de setembro, segunda-feira, a partir das 19h, a Matilha Cultural dá início à 6ª edição do Setembro Verde, projeto multimídia colaborativo com foco em temas políticos e socioambientais. Com programação gratuita relacionada às artes, cinema, debates e oficinas, a edição deste ano tem como foco a questão da crise da água, trazendo mapas, infográficos, fotos, arte e textos.  Questões relacionadas com os parques urbanos e áreas verdes também estarão expostas, além de uma viagem pela Amazônia e práticas sustentáveis na exposição “Expedição Barco Íris” e filmes no Cine Matiha. Na noite da abertura, DJ Nat Jako nas vitrolas com seleção especial para a ocasião, com músicas que remetem à natureza.

 

A galeria da Matilha será tomada por peças que demonstram como São Paulo é afetada com a crise hídrica. De um lado a arte, questionamento e trabalho do Imargem, coletivo com base no Grajaú, no entorno da represa Billings, formado por artistas visuais que organizam intervenções multidisciplinares reunindo arte, meio ambiente e convivência. Do outro lado da galeria, infográficos, mapas, textos, vídeos e fotos feitos em parceria com pesquisadora Marussia Whately/consultora em sustentabilidade e colaboradora do Instituto Socioambiental organização que propõem soluções de forma integrada a questões sociais e ambientais com foco central na defesa de bens e direitos sociais.

 

Compondo também o conjunto da exposição animação sobre o ciclo da água do site asboasnovas.com, que possui projetos de comunicação com foco na sustentabilidade e boas causas, lambes do coletivo Volume Vivo, projeto de pesquisa audiovisual que pretende mapear as causas e soluções para a crise da água em São Paulo e infográficos e vídeos do Projeto 2000 e Água, reportagem hipermídia com vídeos e infográficos sobre a crise hídrica, elaborada por um grupo de seis alunos de jornalismo da ECA-USP com fotos e depoimentos que dão voz a pessoas que convivem com a água - e a falta dela - de diferentes maneiras. Destaque para o mapa “Rios Invisíveis” criado pelo artista Nik Neves para a publicação Planeta Sustável, que traz rios da cidade que com o crescimento urbano, acabaram canalizados e encobertos por cimento.

 

Para quem prefere exposição fotográfica, acontece na arena a mostra “Expedição Barco Irís”, do EarthCode Project (www.earthcode.org ), projeto que documenta mais 180 comunidades étnicas alternativas e convencionais na Austrália, Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e Amazônia, e conta a história de uma aventura sustentável pela América do Sul. Com fotos e textos de Henny Freitas, jornalista, permacultora e educadora ambiental, a exposição mostrará o processo de Henry na construção de seu próprio barco para desfrutar e descobrir formas de projetos sustentáveis na Amazônia peruana e brasileira. “Além de apreciar a beleza natural da fauna, flora e vida primitiva da Amazônia, a mostra proporciona uma reflexão sobre as conseqüências que o desmatamento amazônico traz para a falta d'àgua em São Paulo.”, antecipa Henny. Além das fotos da expedição, uma novidade deste ano será a instalação de um domo geodésico feito de bambu como um exemplo de construção sustentável e dentro dele exposição do conto de Henny “Pescador de Ilusões”, com desenhos feitos por crianças que participaram das atividades propostas pela Expedição Barco íris, inspiradas pelo conto, que inspira crianças a terem uma postura mais consciente em relação aos recursos naturais.

 

 

 

Outra novidade deste ano fica por conta da Banca Orgânica que será organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Serão montadas bancadas para a exposição e venda de produtos orgânicos.

 

No Cine Matilha será possível conferir filmes com temáticas que abrangem o meio ambiente e a sociedade, como o novo filme do diretor brasileiro Silvio Tendler, “O Veneno está na Mesa II”, que proporciona uma reflexão sobre os alimentos que consumimos e que possuem grandes índices de agrotóxicos. Já o “Água”, do diretor Yael Perlov, é um projeto de sete curtas que mostra a relação das pessoas com a água através de diversas histórias. A programação foi feita em parceria com a Mostra Ecofalante de Cinema.

 

Alguns debates e oficinas complementam a programação, com destaque para Expedição Rios e Ruas pelo centro da capital, debates sobre água com parceiros desta edição Volume Vivo, Rios e Ruas e 2000eágua, além de um bate-papo com biólogo Victor Lucato, que abordará a relação entre a água e áreas verdes, próximas e distantes.

 

No último ano, cerca de oito mil pessoas compareceram nos espaços da Matilha Cultural para conferir as ações que mostravam a resistência indígena no Brasil e as dinâmicas entre tribos.

 

 

PROGRAMAÇÃO:

 

Debates, palestras e cinema:

 

27/9, sábado, 27/09,

 

10h – 16h

Banca Orgânica, organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Estarão presentes produtores do cinturão verde de São Paulo.

 

16h – 18h

 bate-papo com Caio Ferraz, do projeto Volume Vivo. Será exibido o primeiro episódio da série Volume Vivo. O episódio "A água de dentro" apresentará a conjuntura da crise na grande São Paulo, como estão e como funcionam os sistemas de abastecimento da metrópole, qual é a pegada hídrica da metropole paulistana e como teremos que mudar o modo como nos relacionamos com a água para superar esta crise. Após a apresentação do curta haverá uma discussão com a participação do diretor e outros

envolvidos no projeto.

 

 

01/10, quarta-feira, às 20h

Tema:  "Urbanidade rígida e urbanidade líquida em São Paulo",  José Bueno e Luiz de Campos, co-criadores da iniciativa Rios e Ruas. O Rios e Ruas  trabalha para promover o reconhecimento e a exploração in loco das cidades redescobrindo a natureza de rios soterrados por ruas e construções contribuindo assim para despertar em jovens e adultos uma compreensão afetiva sobre o uso do espaço urbano."

 

 

 

 

 

04/10, sábado, 14h – 16h

 Expedição Rios e Ruas: em busca do riacho Anhanguera. Entender o urbano pressupõe o ato de imaginar. Recriar os rios que perdemos de vista, e pensar o porquê dessas perdas. Demanda aproximar-se do invisível na paisagem, explorando camadas mais profundas que existem na realidade. Nessa expedição, José Bueno e Luiz de Campos, cocriadores da iniciativa Rios e Ruas, guiarão os participantes numa experiência para redescobrir a natureza de riachos soterrados por ruas e construções no centro de São Paulo. É uma atividade para estimular uma compreensão afetiva sobre o uso do espaço urbano.

 

 

07/10, terça-feira, às 20h

Tema: Água e vegetação – sem vegetação não há água.

Explicar relação entre água no ar (‘rios aéreos’) e os ventos alísios que vem do Nordeste para o Norte. De lá, para Amazônia e Andes. Descem outra vez e fazem chover no Sul, Sudeste e outros aspectos que explicam a extrema importância da existência de áreas verdes para a conservação da água.

Convidado: Victor Lucato, biólogo.

 

 

11/10, sábado, às 16h – 18h

Tema: Oficina para crianças do conto Pescador de Ilusões, com Henny Freitas. Seguindo o conto são feitas ilustrações com as crianças sobre a preservação da natureza. Comparar com os desenhos da cidade e observar as diferenças nos comportamentos das crianças ao desenhar a natureza.

Com Henny Freitas.

 

 

15/10,quarta-feira, às 20h -22h

Tema:Por água abaixo: a gestão dos recursos hídricos em São Paulo

Convidado: integrantes do projeto "2000 e água" , grupo de seis alunos de jornalismo da ECA-USP  que produziu a reportagem hipermídia sobre a crise hídrica de 2014 em São Paulo.  No dia do bate-papo, será projetado o documentário  de dez minutos “Planos submersos”, que retrata a marcante história de pessoas que tiveram suas casas inundadas há 40 anos para a construção do Sistema Cantareira e, hoje, assistem ao reaparecimento delas com a seca dos reservatórios. O ciclo se reinicia com a demanda por mais água da metrópole, e outras populações ribeirinhas vivem a incerteza de quando deixarão seus lares para a construção de novas represas. Após o filme, conversa com integrantes do projeto.

 

25/10, sábado,

 

10h – 16h

Banca Orgânica, organizada pelo Instituto AUA, que trabalha como facilitador na formação de coletivos de consumo para incentivar a agricultura orgânica familiar. Serão montadas bancadas para a exposição e venda de produtos orgânicos.

 

16h – 18h

Workshop “Alimento com sentido”, com Alecrim Comunicação

A proposta tem como principal objetivo despertar nos participantes a importância da alimentação saudável e consciente. Por meio de atividades cooperativas e lúdicas traremos o tema “Orgânicos” explorando os sentidos na  alimentação, além de todos os benefícios que este alimento pode nos proporcionar. O workshop “Alimento com sentido” trará aos participantes uma reflexão sobre o processo da alimentação e juntos descobriremos novos caminhos respeitando as individualidades.

 

 

 

MOSTRA SETEMBRO VERDE DE CINEMA 2014

 

Cine Matilha:

Documentário: “O Veneno está na Mesa”

25/09 às 19h, 02/10 às 21h, 03/10 às 21h, 04/10 às 21h

Direção: Silvio Tendler

Duração: 50’

Ano: 2011

Produção: Caliban

Apoio: EPSJV-Fiocruz

 

Documentário: “O Veneno está na Mesa 2”

26/09 às 19h, 27/09 às 19h, 09/10 às 19h, 10/10 às 20h30, 11/10 às 19h

Direção: Silvio Tendler

Duração: 70’

Sinopse: após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em “O Veneno está na Mesa”, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O “Veneno Está Na Mesa 2” atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. Com este documentário, vem a certeza de que o país precisar tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?"

 

Documentário: “Água” (Water)

25/09 às 20h, 26/09 às 20h30, 27/09 às 20h30, 28/08 às 20h e 04/10 às 19h

Direção geral: Yael Perlov

Direção: Nir Sa’Ar, Mohammad Fuadm Yona Rozenkier, Mohammad Bakri, Ahmad Bargouthi, Pini Tavgner, Tal Haring e Maya Sarfaty

Duração: 117’

Ano: 2012, Israel, Palestina

Sinopse: “Água” é um projeto com sete curtas, feitos por oito diretores, todos girando em torno da necessidade de água, idealizado pela cineasta Yael Perlov. No interior de Israel, um jovem casal de Tel Aviv tem que dividir uma fonte com um grupo de trabalhadores palestinos, divididos entre medos ancestrais e pequenos gestos de solidariedade (Still Waters). Durante o verão, um vendedor de água palestino fornece tanques e poços na área de Belém, deixada seca pelos colonizadores (The Water Seller). Um soldado israelense que está á beira de um ataque de nervos e um camponês palestino que quebra o toque de recolher para irrigar suas melancias tentam domesticar um burro (Raz and Raja). Um ator famoso e seus dois filhos têm uma relação particular, movida a desentendimentos e gotas de colírio, com a vizinha, uma senhora que sobreviveu aos campos de concentração (Eye Drops).

Um velho árabe, que viveu nos EUA por anos, gerencia uma piscina. Famílias palestinas que nunca viram o mar a frequentam até os colonizadores israelenses invadirem o espaço (Kareem’s Pool). Um soldado israelense, durante um intervalo dos seus exercícios de treinamento, lembra de um episódio da sua infância: sua mãe lavando seu cabelo em uma banheira, enquanto seu pai o apressa (Drops). Uma judia ortodoxa jovem e tímida espera que seus pais a levem num Shiduch, um encontro que o promove o casamento. Enquanto isso, ela tem uma conversa estranha com um encanador através de uma porta fechada (Now and Forever)

 

Documentário: “A Fé nos Orgânicos”

02/10 às 19h30, 03/10 às 19h30, 05/10 às 20h, 09/10 às 20h30, 11/10 às 20h30 e 12/10 às 20h

Direção: Kip Pastor

Duração: 82’

País: EUA

Ano: 2012.

Sinopse: A Fé nos Orgânicos é um documentário revelador que mostra o verdadeiro significado de "orgânico". Quando as corporações entraram no negócio e "orgânico" se tornou uma marca, a filosofia e o rótulo se separaram. Mas há esperança para os orgânicos e para nós! O diretor Kip Pastor olha para além do rótulo e desenterra soluções inspiradoras para a nossa saúde e para problemas ambientais. Cidadãos e comunidades estão resolvendo os problemas com suas próprias mãos, e a mudança está vindo do solo para cima. Eixo-temático: Economia.

 

---------------------------------------------

 

Sobre a Matilha Cultural

 

A Matilha Cultural é uma entidade independente e sem fins lucrativos instalada em um edifício de três andares, localizado no centro de São Paulo. A Matilha integra um espaço expositivo, sala multiuso, café, além de um cinema com 68 lugares. Fruto do ideal de um coletivo formado por profissionais de diferentes áreas, a Matilha foi aberta em maio de 2009 e tem como principais objetivos apoiar e divulgar produções culturais e iniciativas sócio-ambientais do Brasil e do mundo.

 

A Matilha não é um espaço imparcial ou contemplativo no mundo atual da instantaneidade da produção de conteúdo: assume uma postura politizada e apartidária, atuando junto à cena independente de cultura. Ao aglutinar projetos e expressões culturais atuais, a Matilha funciona como um centro de ideias coletivas.

 

Toda programação da Matilha Cultural é gratuita ou a preços populares. O espaço pode ser locado para eventos privados e a renda dessa locação é revertida para financiar projetos culturais e sócio-ambientais da entidade.

 

A Matilha está agora com seu primeiro projeto de captação colaborativa, para a criação de um sistema móvel através de uma van para levar um pouco do que é a Matilha para outros cantos da cidade e do país. Colabore. http://www.kickante.com.br/campanhas/matilha-cultural-quer-ir-pra-rua-faca-parte

 

Setembro Verde @Matilha Cultural

Abertura: 22 de setembro, a partir das 19h

Período expositivo: 22 de setembro a 28 de outubro.

De terça-feira a domingo, das 14h às 22h

Entrada gratuita

É permitida a entrada de animais

 

MATILHA CULTURAL

Rua Rego Freitas, 542 – São Paulo

Tel.: (11) 3256-2636

Horários de funcionamento: terça-feira a domingo, da 12h às 20h/ exceto sábados: 14h às 20h

Wi-fi grátis

Cartões: VISA (débito/ crédito)

Entrada livre e gratuita, inclusive para cães

Subscribe to this RSS feed